Caco por caco

Caco por caco. É assim que o seu Jorge, dono da loja “O Faz-Tudo”, cola uma luminária antiga que lhe seja enviada quando quebra.

E não é só caco por caco, mas até quase pó por pó, quando os estilhaços são muito pequenos.

O interessante é que ele cola caco a caco, uma vez por dia. De tal modo que o conserto pode durar até 30 ou 40 dias.

Todo dia um caco. E é assim porque a cola entra no processo e pode criar pequenas diferenças que, no fim, podem significar, esteticamente, a percepção ou não do acidente um dia havido.

Seu Jorge está certo. Quando nossas antiguidades se quebram, a gente tem que ter a paciência de colar um caco por dia.

 

Consertar o passado é um trabalho que seu Jorge nos ensina quando conserta as nossas antiguidades, quase todas feitas de cristal muito fino e insubstituível.

O passado foi vivido, e está perdoado; porém, há sempre muitos cacos para colar. E também tem que haver a paciência para esperar “os materiais trabalharem” dentro da existência, a fim de que cada nova inclusão venha na medida certa.

O trabalho dele é tão bom que só fica sabendo que o cristal se quebrou quem antes havia sabido que ele havia se partido. Do contrário, para novos olhos, o objeto está simplesmente perfeito.

Se seu Jorge, dono de “O Faz-Tudo”, faz assim, o que não dizer de Jesus? Sim, se seu Jorge faz assim, o que se deve esperar da cola do amor e da graça que vêm dAquele em Quem Tudo Está Feito?

Reconciliação é o que Ele faz!

Caio